1. Áries
  2. Touro
  3. Gêmeos
  4. Câncer
  5. Leão
  6. Virgem
  7. Libra
  8. Escorpião
  9. Sagitário
  10. Capricórnio
  11. Aquário
  12. Peixes


O Luto: quando vira doença

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Saiba como identificar o luto complicado e os possíveis caminhos para lidar com o problema e preservar a saúde física e emocional  

  Não é fácil lidar com qualquer tipo de perda significativa, principalmente a de alguém querido. Quando esse tipo de perda ocorre a pessoa vive um conjunto de reações, que fazem parte do processo natural do luto. Além do tempo, a intensidade das reações diferem o luto normal do luto complicado,  tanto para proporções maiores ou menores.

O processo de luto normal envolve alterações de diferentes ordens, como: física, emocional, cognitiva e social. Podendo ocorrer sentimentos de tristeza, culpa, além de alterações do sono e apetite e falta de ar. A palpitação cardíaca, isolamento, dificuldade de memorização e concentração, também são possíveis características no processo de luto. No luto complicado, entretanto, é necessário atenção aintensidade, duração ou ausência das reações comuns.

 

  Há pessoas que reagem de maneira inesperada, como se nada tivesse acontecido e voltam a sua rotina normalmente. "Geralmente, esse paciente não vivencia as etapas da perda e tendem a se calar. O ideal  é que as  pessoas próximas ao enlutado identifiquem que o paciente precisa de auxílio e, depois disso, estimulem a procura por psicoterapia para receber tratamento correto", esclarece a Juliana Batista, especialista em luto complicado e psicóloga do HCor.

 

Há, ainda, uma baixa identificação do diagnóstico do luto complicado, por ser muitas vezes confundido com depressão. As doenças podem acontecer ao mesmo tempo. "O problema é que muitas vezes, diante de um enlutado crônico, as primeiras coisas que querem fazer é medicar o paciente para sanar sintomas, da mesma forma ocorre com a depressão geriátrica", esclarece a Juliana.

O mix de sentimentos deve se atenuar gradualmente. "Não é possível prever o tempo do processo do luto, mas o primeiro ano do enlutado normalmente é bem difícil. Por exemplo, o primeiro aniversário sem a pessoa querida ao lado. Essas datas costumam ser complicadas para o paciente", segundo Batista.

 Alguns fatores de risco, como o tipo de morte: precoce, violenta, ou até, episódio de suicídio, costumam ser mais dolorosos e difíceis de serem aceitos. Ainda, relações de intensa dependência e falta de suporte social, podem ser considerados fatores de risco para luto complicado e devem ser olhadas com especial atenção.

 

Reconstruir a identidade e a vida não são tarefas fáceis para quem está passando pelo processo de luto. “Mas não se deve esquecer que há casos em que o enlutado precisa de ajuda profissional para lidar com as mudanças causadas pela ausência do outro,visando a melhoria na qualidade de vida e a busca de sentido para este novo e doloroso momento”, finaliza a psicóloga do HCor.

 

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Outras Notícias



Comentários

  • Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Deixe seu comentário