1. Áries
  2. Touro
  3. Gêmeos
  4. Câncer
  5. Leão
  6. Virgem
  7. Libra
  8. Escorpião
  9. Sagitário
  10. Capricórnio
  11. Aquário
  12. Peixes


O poder do ômega 3: Protegendo vidas

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Consumo de Ômega 3 durante a gravidez reduz risco de parto prematuro de origem espontânea

 

 

A nutricionista Lenycia Neri aponta alguns cuidados com a dieta da gestante que diminuem esse risco e favorecem o desenvolvimento do sistema nervoso do feto

 

Uma alimentação inadequada pode interferir drasticamente no desenvolvimento do bebê, aumentando a predisposição ao parto prematuro de origem espontânea. O estudo “Prematuridade e suas possíveis causas”, divulgado em 2013, constatou que a prevalência de partos prematuros no Brasil é de 11,7%, o que coloca o país no mesmo patamar de países de baixa renda, onde o porcentual é de 11,8%. Uma maneira de reverter esse quadro é o consumo de alimentos ricos em ácido graxo Ômega 3, que podem ajudar as mulheres a terem bebês mais saudáveis e reduzir a incidência de partos prematuros de origem espontânea. O Ômega 3 é encontrado principalmente em peixes, mas também está disponível em cápsulas específicas para gestantes. 

 

 

 

“A concentração de ácidos graxos Ômega 3 na dieta tem efeito comprovado durante a gestação. Estudos indicam que esse tipo de gordura pode influenciar no processo inflamatório da gestante, diminuindo o risco do nascimento prematuro”, diz Lenycia Neri, nutricionista do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade São Paulo (FMUSP)”.

 

 

 

De acordo com Lenycia, a dieta praticada no Brasil é rica em ácidos graxos do tipo Ômega 6 devido ao grande consumo de óleos vegetais. Entretanto, é muito baixa em ácidos graxos do tipo Ômega 3 porque é pobre no consumo de  peixes. “A suplementação com Ômega 3 aumenta a concentração de DHA na placenta e no cordão umbilical, além de aumentar a estabilidade da membrana de outras células e tecidos”, salienta a nutricionista.

 

 

 

Desde 2007 a Comissão Europeia recomenda que a ingestão de Ômega 3 DHA seja de, no mínimo, 200 mg ao dia para gestantes e lactantes. O Ômega 3 é um ácido graxo essencial para o organismo não sintetizado naturalmente e que, por isso,  precisa ser consumido na dieta. Presente em peixes como salmão, sementes de linhaça, nozes e azeite de oliva, o Ômega 3 é composto por três frações específicas: ALA (ácido alfa-linolênico), EPA (ácido eicosapentaenóico) e  DHA (ácido decosahexanóico).

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Outras Notícias



Comentários

  • Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Deixe seu comentário