1. Áries
  2. Touro
  3. Gêmeos
  4. Câncer
  5. Leão
  6. Virgem
  7. Libra
  8. Escorpião
  9. Sagitário
  10. Capricórnio
  11. Aquário
  12. Peixes


Como evitar gripes: Especialista dá dicas de prevenção

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

O Brasil irá receber muitos jogos de futebol nos próximos dias e, para assistí-los, as pessoas irão se reunir em casa, bares, além da oportunidade de ir aos estádios para acompanhar os jogos. Esses momentos costumam ser de aglomeração nesses locais, o que torna o contágio da gripe ainda mais suscetível, já que, nem sempre, as pessoas tomam os cuidados necessários para evitar a transmissão do vírus.

 Como essa transmissão acontece? Pelo contato físico, explica o Dr. Adriano Bueno de Sá¹, Gerente Médico OTC da Takeda. “A gripe é uma doença infecciosa e o vírus não ‘voa’. Ele é transmitido no espirro, em partículas que são jogadas no ar e contaminam objetos, roupas, etc. A transmissão acontece no contato com esses objetos contaminados ou com quem já está gripado. Por isso, é extramente importante não levar as mãos aos olhos ou boca sem lavá-las, já que o contágio acontece no contato com a mucosa”, afirma Dr. Adriano.

 E como se prevenir? O médico alerta que o ideal, para quem já está gripado, é utilizar máscaras – evitando, assim, a propagação do vírus. Mas outros cuidados básicos, como utilizar álcool em gel e manter as mãos sempre bem lavadas, também podem, e devem, ser tomados por todos, principalmente em locais de grande aglomeração, como estádios de futebol e bares.

 Além disso, uma alimentação balanceada, boa qualidade de sono e prática de exercícios regulares contribuem para o fortalecimento do sistema imunológico, o que dificulta o desenvolvimento da doença pelo vírus. Mas caso o contágio já tenha acontecido, medicamentos podem ser utilizados, sob orientação médica, para aliviar os multissintomas das gripes e resfriados. 

Mesmo com a medicação, é importante ficar atento ao período de permanência do mal estar, que dura, geralmente, entre dois e quatro dias. Caso os sintomas persistam por mais de sete dias, é necessário consultar um médico, pois a infecção pode ter origem bacteriana ou se tratar de outra doença. Nestes casos, o tratamento deve ser acompanhado por um especialista.

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Outras Notícias



Comentários

  • Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Deixe seu comentário