1. Áries
  2. Touro
  3. Gêmeos
  4. Câncer
  5. Leão
  6. Virgem
  7. Libra
  8. Escorpião
  9. Sagitário
  10. Capricórnio
  11. Aquário
  12. Peixes


Oração do dia: Santa Catarina de Sena

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut


29 de abril - Santa Catarina de Sena


A vida dessa santa é cercada de tanta docilidade, bondade e caridade, que nos impressiona. A sua doce e singular personalidade se misturava com a sua marca, que era de extrema feminilidade, a qual regia a seu cotidiano. Foi em Sena que se presenciou o seu nascimento no dia 25 de março de 1347. Era a vigésima filha do casal Tiago e Lapa Benincasa.

Sua vida religiosa se inicia aos sete anos de idade e logo se poderia averiguar seus belos frutos. Completos seus quinze anos, Catarina ingressou na Ordem Terceira de São Domingos. Conta-se que em uma passagem de sua vida, para poder vencer a repugnância para com um leproso que exalava um cheiro horrível, inclinou-se em sua direção e beijou-lhe as chagas.

Era de extrema bondade e caridade para com os pobres, e em público lia as suas cartas   endereçadas a papas, reis e líderes. Esse papel social e político lhe renderam sérias complicações. Catarina teve que se explicar para os Dominicanos, insatisfeitos com sua atitude. Foi presa e em seu cárcere escreveu o “Diálogo sobre a Divina Providência”.

Foi lá também que adoeceu e, em 29 de abril de 1830, aos 33 anos de idade, veio a falecer encontrando o criador, conforme era o seu gosto. Foi canonizada a 29 de abril 1461 e em 1939 já tinha sido declarada a padroeira da Itália, juntamente a São Francisco de Assis.

Santa Catarina de Sena foi considerada Doutora da Igreja devido as idéias teológicas e místicas descritas em sua obra.

Oração: “Trindade eterna, vós sois um mar profundo, no qual, quanto mais procuro, mais encontro. E quanto mais encontro, mais procuro. Vós nos saciais de maneira completa, pois, no vosso abismo, saciais a alma de tal sorte que ela fica sempre com mais fome de vós. Que podereis dar-me mais de vós mesmo?

Sois o Fogo que queima sempre e nunca se consome. Sois o Fogo que consome no vosso ardor todo amor-próprio da alma; sois o Fogo que tira todo frio, que ilumina todas as inteligências e, pela vossa luz, me fizestes conhecer a verdade.

Dais ao olho humano luz sobrenatural em grande abundância e perfeição, e iluminais a própria luz da fé. É nessa fé que minha alma tem vida. Na luz da fé adquiro a sabedoria, na sabedoria do vosso Filho único; na luz da fé, tomo-me forte e constante persevero. Na luz da fé, espero que não me deixareis sucumbir no caminho...”

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Outras Notícias



Comentários

  • Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Deixe seu comentário