1. Áries
  2. Touro
  3. Gêmeos
  4. Câncer
  5. Leão
  6. Virgem
  7. Libra
  8. Escorpião
  9. Sagitário
  10. Capricórnio
  11. Aquário
  12. Peixes


Espiritismo - Reencarnação: "Presenciei a reencarnação do meu pai"?

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Bonito, jovial, saudável e alegre, meu pai biológico veio, em espírito, até o quarto onde eu estava deitado acompanhado de outro espírito, uma mulher. Ela conduzia o nosso encontro do mesmo modo que faz um terapeuta.

Ela me perguntou se eu sentia que um dos aspectos mais falhos na minha infância teria sido a falta de abraço do pai. Respondi positivamente. Então, meu pai, carinhosamente, se deitou sobre mim e me abraçou profundamente. Também o abracei e ali choramos juntos. A terapeuta disse que ficássemos o tempo que fosse necessário, apesar do tempo espiritual ser muito mais veloz. Ele sentou-se ao meu lado e, de mãos dadas, me convidou para ir com ele até o lugar onde ele deveria reencarnar - eram 4h da manhã do dia 28 de dezembro de 2009.

A terapeuta mandou que segurássemos firmemente nas mãos um do outro e voamos pelo espaço, acompanhados e envoltos em uma espécie de transporte eletromagnético - não é em um vôo. A gente é transportado. Esses vôos às vezes parecem longos e começa a dar uma sensação de que não terminará, mas, finalmente, pousamos em uma pequena cidade de Minas Gerais, cujo nome tem quatro letras. Caminhamos até a casa onde ele deveria reencarnar. Ele parecia jovem e feliz, contando piadas no estilo que era antes de falecer.

Eu estava em estado de êxtase, sem acreditar muito que aquilo estava ocorrendo, mas feliz. Ele andava na frente do grupo, ansioso. Naquele momento, eu tinha muitas perguntas a fazer sobre o processo de reencarnação, porque não se encaixava nos processos convencionais, de acordo com a literatura existente, mas não dava mais tempo. Ele tinha que reencarnar naquele instante. Não sei se foi ele quem escolheu ou se foi forçado a isso, mas o certo é que ele queria concretizar logo e a futura mãe já estava em trabalhos de parto.

Ainda era noite naquela cidade mineira - nesta vida ele nunca foi a Minas Gerais. Chegamos à pequena casa de poucos cômodos, mobília simples, tudo muito limpo. Apesar de ser noite e tudo estar escuro, não tínhamos problemas de ver tudo com clareza. Minha curiosidade ascendeu e comecei a olhar os poucos quadros na parede para ver alguma coisa da família, mas fui chamado à atenção.

Não havia mais tempo e eu só estava ali porque meu pai havia solicitado, do mesmo jeito que ele fez quando faleceu: foi ao meu encontro na Indonésia, três horas depois de falecido, para me acordar e dizer que havia falecido. Meu pai foi levado para o quarto do casal, não houve tempo para abraços e despedidas nem havia motivo para isso. Eu estava muito feliz com aquele momento privilegiado. Não tive acesso e nem sei como isso se processou. Fui levado para fora da casa onde havia muitos espíritos, todos vestindo branco, ninguém que eu me lembrasse conhecer.

Ninguém dirigiu uma só palavra para mim, era como se eu não estivesse ali. Todos estavam em pé, em silêncio, como se estivessem em oração, virados na direção do quarto do casal. De repente ouvi um barulho dentro da casa, e o choro do bebê fez todos os espíritos aplaudirem. Nunca tinha visto ninguém aplaudir um nascimento nem sei por que meu pai teve esse merecimento ou se é assim a cada reencarnação. Fiquei muito emocionado naquele momento. Ninguém teve a permissão de entrar na casa.

Fui para o lado da frente da casa, querendo achar o nome da rua, algo assim. A família tinha acordado e pude ver o filho mais velho, de cerca de doze para treze anos, abrindo a porta da frente. O dia estava amanhecendo. O espírito que me conduzia disse baixinho: seu pai vai ser o quinto filho dessa família e já está na hora da gente voltar para o seu corpo. Sem que desse tempo de pensar, começamos a voar de volta para minha casa. Dei uma última olhada na cidadezinha mineira, que nunca estive nela nesta vida.

No caminho de volta, perguntei ao espírito que me conduzia: O senhor é meu mentor? Ele disse: não, sou apenas um condutor de viagens astrais deste tipo. Ele era alto, não tinha roupas nem genitálias e sua cor era meio translúcida - ou eram as "roupas" que eu não conseguia distinguir. Não estávamos em um transporte convencional, como aconteceu várias vezes, mas éramos cercados eletromagneticamente e protegidos.

Talvez eu não tivesse a permissão de ver os detalhes desse meio de transporte - mas não posso narrar tudo. Tivemos que baixar em uma região de planície onde havia outros espíritos e este lugar seria algo como um lugar de transferência. Ali fui entregue a outro condutor. Perguntei o porquê da troca e ele me disse: estou habilitado a para navegar em regiões muito frias da terra nesta época de inverno no norte da terra. Ele bateu levemente em minhas mãos e senti meu corpo astral adormecer. Ao ser devolvido ao meu corpo físico, o condutor ainda disse: levante e vá ao banheiro para você se firmar no corpo.

Sonho ou realidade, esta viagem astral foi um prêmio, um presente que nunca imaginei receber. Todos os meus conhecimentos sobre reencarnação foram resumidos e ao mesmo tempo ampliados. Já tinha a certeza, mas nunca imaginei presenciar uma e de uma pessoa tão próxima. Meu pai biológico não era uma pessoa fisicamente próxima, mas depois que faleceu teve outro comportamento e se fez presente muitas vezes na minha vida e até teve o merecimento de mandar recados por médiuns - assim como o meu avô paterno, do lado da minha mãe biológica. Um fato me chamou à atenção: ele escolheu nascer sendo o quinto filho da família, exatamente do jeito que eu nasci o quinto. É muito cedo para saber se haverá algum desenvolvimento no futuro ou se isso encerra o nosso karma.

O futuro dirá.

Por José Joacir dos Santos - doutor em Psicologia
 

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Outras Notícias



Comentários

  • #1 heloisa
    04/11/2010 09:23

    Fiquei mto feliz em ler esse texto, pois tbm acompanhei um pouco meu pai, na vida espiritual, vi ele sendo levado para a regiao de Paris, em um transporte, semelhante a uma nave, ele se fez presente tambem, mtas vezes depois de desencarnado, espero que ele esteja bem, e feliz, estudando, trabalhando pelo bem da humanidade, da familia, dele proprio, e espero poder reencontra-lo, mesmo que seja em sonho, eu acredito sim que esse sonho foi um reencontro. Heloisa

  • #2 Rubemar
    12/12/2010 19:56

    Ola fiquei muito feliz em saber que não foi só eu que tive um sonho com familiares se reencarnado,no meu caso foi minha mãe e sei muito bem onde ela se reencarnou ,e porisso estou muito feliz ,e não vejo a hora de dar um grande abraço nela.

  • #3 kaitty
    17/07/2013 15:50

    nossa estou muito emocionada...eu perdi meu pai a 5 amos, e gostaria muito de presenciar algo assim... gostaria muito de reencontra-lo..nos eramos muito apegados...e sofro muito...parabens pelo presente..

  • #4 Eduardo
    01/09/2013 19:48

    Sou o único espirita da minha família, minha mãe,meu pai(já falecido), irmãs, esposa, filhos e filha são evangélicos da Assembléia de Deus.Eu sou muito feliz na minha doutrina e espero um dia reencontrar meu pai ou quem sabe saber onde ele reencarnará. Ele desencarnou a pouco mais de um ano mais não tem um só dia que eu não lembre dele, sinto muitas saudades do meu velho. Eu nunca fui protestante e desde criança sinto fascínio pela doutrina espirita e verdadeiramente a amo.

  • #5 luzia
    08/09/2013 12:00

    a minha avó é espirita eu acho que sou igual ela,eu adoro escultar relatos de pessoas ,eu vejo muitas coisas em meus sonhos ,que realizam ,mais vejo muitas pessoas que não conheço ,falam comigo , mas eu não lembro delas,eu acho que é de outras vidas.eu acredito em espiritismo é mais forte que eu, mas pretendo seguir o espiritismo ,eu tenho paz,quando eu leio os livros psicografados .......só deus p entender

Deixe seu comentário