1. Áries
  2. Touro
  3. Gêmeos
  4. Câncer
  5. Leão
  6. Virgem
  7. Libra
  8. Escorpião
  9. Sagitário
  10. Capricórnio
  11. Aquário
  12. Peixes


Relacionamentos: Superando o fim e seguindo em frente

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

*Sandra Rosenfeld
 
Outro dia, li, no Face, uma postagem bem interessante. A pessoa dizia que  virava a página tanto dos relacionamentos que tiveram um fim completo como dos incompletos. Realmente é muito ruim quando o relacionamento termina mal resolvido. Não deu tempo, condição, momento para o outro entender, perguntar, explicar... 
 
Mas o que a pessoa postou faz muito sentido, não importa de que maneira terminou, o que importa é que terminou e o melhor mesmo a fazer é virar a página e seguir em frente. Mas virar de verdade e seguir de fato, pois, numa situação assim, nem todos conseguem.
 
Necessitamos de um fim como temos registrado dentro de nós, como acreditamos que devam ser os fins. É como naqueles filmes que o fim é uma incógnita. O filme acaba sem o fim claro, objetivo, preciso. E fica aquela sensação esquisita, aquela pergunta: E???
 
Não sei de onde tiramos essa ideia de que o fim precisa ser “perfeito”, do fim finalizado. A vida nos mostra, a todo instante, o quanto tudo pode ser inesperado, imprevisível, inacabado e ainda assim ficamos pasmos com os fins não finalizados?!
 
Ok. Ficamos pasmos, mas... precisamos virar a página. Ter isso em nossa mente de forma clara, olhar em volta e aceitar a inconstância, a instabilidade, o fim sem final. Aceitar é a palavra-chave que abre a possibilidade de paz interior, a possibilidade de lidar, de forma equilibrada, com o inesperado, com o difícil. 
 
Muitas vezes ficamos presos meses, anos, às vezes, uma vida toda a um relacionamento que chegou ao fim, não importa de que maneira. O fim aconteceu, mas continua aberto dentro de nós. Pode ser um relacionamento amoroso, familiar, a separação dos pais. Ficamos parados ali, impedidos de viver plenamente. E, como diz a música de Lenine:
“... Será que é tempo que lhe falta pra perceber
Será que temos esse tempo pra perder
E quem quer saber
A vida é tão rara (tão rara)...”.
 
*Sandra Rosenfeld
Escritora e Palestrante. Terapeuta em Qualidade de Vida como Instrutora de Meditação, Executive e Personal Coach. Autora dos livros “Durma Bem e Acorde para a Vida” e "O que é Meditação", Ed. Nova Era/Record. 
contato@sandrarosenfeld.com.br
  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Outras Notícias



Comentários

  • Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Deixe seu comentário