1. Áries
  2. Touro
  3. Gêmeos
  4. Câncer
  5. Leão
  6. Virgem
  7. Libra
  8. Escorpião
  9. Sagitário
  10. Capricórnio
  11. Aquário
  12. Peixes


Bullying: Combata esta violência

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

 

 

Por Anita Adas (*)
 
A palavra bullying deriva do verbo inglês to bully e significa usar a superioridade física ou moral para intimidar alguém. Essa palavra tem sido adotada em vários países para definir todo tipo de comportamento agressivo, intencional e repetitivo inerente às relações interpessoais. As vítimas são os indivíduos considerados mais frágeis, transformados em objetos de diversão e prazer por meio de “brincadeiras” maldosas e intimidadoras. E quando a violência é feita virtualmente, contando com ajuda da internet ou celulares para disseminá-la, ganha o nome de cyberbullying.

Levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revela que quase 1/3 dos estudantes brasileiros afirma ter sofrido bullying alguma vez na vida escolar, sendo que o problema tem ocorrido, em maior proporção, nos colégios privados (35,9%) do que nos públicos (29,5%). Esse estudo faz parte da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2009 e foi realizada com alunos do 9º ano do ensino fundamental das 26 capitais brasileiras e do Distrito Federal.

O tema é tão importante que está tramitando no Senado um projeto que altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) e propõe que os estabelecimentos de ensino sejam também responsáveis por promover um ambiente escolar seguro e adotar estratégias de prevenção e combate a intimidações e agressões. Além disso, também sugere que o Ministério da Educação (MEC) coordene trabalhos para combater o bullying.

Esse é um fenômeno mundial e representa a violência moral velada – que também pode chegar a ser física e explícita –, imposta por meio de comportamentos desequilibrados, socialmente inadequados, intimidadores e repetitivos de uma pessoa ou de um grupo contra uma mesma vítima. Estudos indicam que o bullying produz consequências graves, que vão desde problemas de aprendizagem até sérios transtornos de comportamento, responsáveis por índices de suicídios e homicídios entre estudantes.

É fundamental reconhecer que a vida humana está sendo banalizada e que está ocorrendo o distanciamento daquilo que é inerente e essencial à nossa natureza: relacionar-se. Sabe-se que os humanos não são espontaneamente generosos, respeitosos e solidários; então, essas virtudes devem ser rotineiramente aprendidas e exercitadas. E esse é um dos papéis da educação escolar: formar o sujeito social.

A escola é o primeiro contato dos pequenos com o âmbito público, sendo este um espaço plural por natureza. É nela que crianças e adolescentes conhecem um conjunto de valores muitas vezes diferentes daquele de sua família – o âmbito privado – e, assim, devem aprender a estar na coletividade de forma harmoniosa e democrática.

Combater o bullying não é tarefa impossível, mas exige atenção, tempo e diálogo. É preciso vencer a conformidade. De início, é fundamental que toda a comunidade escolar – gestores, professores, funcionários em geral, alunos e pais – se conscientize de que o mundo tal como está é produto humano e que somos todos responsáveis por ele.

No material do Agora Sistema de Ensino – o novo sistema de ensino da Editora Saraiva, voltado para as escolas públicas do Ensino Infantil ao Ensino Médio –, são trabalhados os temas transversais propostos pelos Parâmetros Curriculares Nacionais (MEC). Assim, os temas Ética, Trabalho e Consumo, Pluralidade Cultural, Meio Ambiente, Orientação Sexual e Saúde são debatidos por meio de textos e de atividades que possibilitam a reflexão e a análise de situações que nos cercam diariamente.

 O material pretende contribuir para a formação ética dos alunos, com a construção e o aprimoramento de sua capacidade de observar, de analisar e de refletir diante das situações do dia a dia e, por fim, posicionar-se como alguém que pensa, atua e, se necessário, transforma a realidade.

Sendo assim, princípios essenciais para a prevenção do bullying, como o respeito, a solidariedade e a justiça, entre outros, fazem parte do trabalho feito em sala de aula. Mas não adianta somente pedir que os alunos desenhem a pomba da paz ou cantem uma música que fale sobre a paz, tampouco acreditar que dizer uma única vez “não bata” ou “não faça” seja suficiente. É fundamental que a escola seja um local de trabalho pautado em princípios éticos, em que todos vivam um ambiente democrático e se compreendam como responsáveis pelas relações estabelecidas na instituição e, assim, comprometam-se com a construção de uma sociedade mais justa e humanizada.
 
(*) Coordenadora Pedagógica da Divisão de Sistemas de Ensino da Editora Saraiva

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Outras Notícias



Comentários

  • Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Deixe seu comentário