1. Áries
  2. Touro
  3. Gêmeos
  4. Câncer
  5. Leão
  6. Virgem
  7. Libra
  8. Escorpião
  9. Sagitário
  10. Capricórnio
  11. Aquário
  12. Peixes


Preservação: Como um animal é declarado extinto?

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Quando não há dúvidas de que o último indivíduo da espécie morreu. Esse é o critério estabelecido pela IUCN (International Union for Conservation of Nature), entidade que publica a Red List, uma lista de animais e plantas ameaçados no mundo

"A estimativa de risco de extinção não é uma ciência exata", afirma Craig Hilton-Taylor, gerente da Red List no Reino Unido. "Nós nos baseamos no que sabemos sobre a espécie e suas ameaças, usando informações do passado, do presente e projeções para o futuro", explica. E não precisa ser cientista para determinar a extinção de um animal: basta fazer a pesquisa e enviar os dados à IUCN.

Mas é preciso seguir uma cartilha rígida de regras, que inclui o levantamento de dados como população, área de ocupação e redução no número de indivíduos, entre outros itens. O material é avaliado por profissionais e pode precisar de complemento. Pode levar meses ou anos até que o animal entre na lista.

GRUPOS DE RISCO

De 1,8 milhão de espécies, apenas 56 mil estão classificadas em relação à preservação – Veja infográfico com detalhes

A VOLTA DOS QUE NÃO FORAM

Eles foram considerados extintos, mas reapareceram na natureza em um fenômeno chamado de Táxon Lazarus, em homenagem a Lázaro - o homem ressuscitado por Jesus

 
Pica-pau-bico-de-marfim
Visto em 2004, gerou polêmica entre os cientistas: nem todos concordavam que o indivíduo fosse mesmo da espécie

 

Celacanto
O peixe foi considerado extinto no período Cretáceo, mas foi descoberto vivo em 1938

 

Minhoca-gigante-de-washington
A minhoca albina, que pode chegar a 1 m de comprimento, foi "extinta" nos anos 1980 e redescoberta em 2005
 

• Atualmente há 707 espécies listadas como extintas.


FONTE:
Mundo Estranho
Consultoria Craig Hilton-Taylor, gerente da Red List no Reino Unido; Otavio Marques, pesquisador do Instituto Butantan

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Outras Notícias



Comentários

  • Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Deixe seu comentário