1. Áries
  2. Touro
  3. Gêmeos
  4. Câncer
  5. Leão
  6. Virgem
  7. Libra
  8. Escorpião
  9. Sagitário
  10. Capricórnio
  11. Aquário
  12. Peixes


Grávida que come demais: ...tem filho que vive com fome. Descubra por que as futuras mamães podem financiar a obesidade nos seus descendentes

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Durante a gravidez, o bebê e a mãe constroem uma relação bem estreita. O feto cresce semana após semana e precisa dos nutrientes que a gestante ingere para que seu desenvolvimento ocorra sem percalços. Mas as mamães de primeira, segunda e outras viagens precisam dosar a quantidade e a qualidade do que consomem à mesa nessa jornada de nove meses. "Há cada vez mais evidências de que tanto carências quanto excessos alimentares durante a gestação são danosos à saúde infantil", diz a pediatra e nutróloga Fabíola Suano, de São Paulo.

 

Quando a gestante abusa das garfadas e engorda acima do limite ideal, pode, sem perceber, patrocinar a obesidade no filho que carrega no ventre. "Mulheres que ganham quilos além da conta na gravidez geram bebês com maior volume de massa gorda", diz Fabíola. Para desvendar o que deixa a garotada fofa demais, pesquisadores da Universidade de Adelaide, na Austrália, dividiram ratas prenhas em dois grupos: um alimentado com ração convencional e outro com ração à base de gordura e açúcar. Eles constataram que os filhotes da segunda ninhada, assim como as mães, preferiam comidas gordurosas. A explicação pode estar no cérebro, já que esses roedores apresentaram níveis maiores de receptores de dopamina, o neurotransmissor do prazer.

 

A atuação dessa substância é fundamental quando a criança deixa de mamar. "Para que entenda que precisa se alimentar, o bebê recebe estímulos cerebrais", explica o neurocientista Renato Sabbatini, da Universidade Estadual de Campinas, no interior paulista. "E esse é o papel da dopamina, que faz parte do sistema de recompensa e é produzida, entre outras situações, quando ingerimos lipídios e açúcar." Em quem come muita gordura, porém, a dopamina não trabalha direito. "A obesidade está relacionada a uma incapacidade natural de perceber os efeitos prazerosos do sistema de recompensa", diz o neurocientista Ivan de Araújo, da Universidade Yale, nos Estados Unidos. Logo, se o pequeno nasce com mais receptores de dopamina, maior será sua necessidade de ingerir fontes do nutriente até conseguir se satisfazer.

 

Mas a influência da dieta da grávida no futuro do filho vai além do sistema de recompensa cerebral. Também usando ratos, cientistas da Universidade de São Paulo revelaram outro risco associado a maus hábitos alimentares na gestação. Dessa vez, o alvo foi a quantidade de sal ingerida no período de espera. Eles notaram que as pitadas a mais do condimento contribuíam para a ocorrência de hipertensão quando os filhotes se tornavam adultos. "O aumento da pressão arterial, no caso, é uma característica epigenética, ou seja, que passa da mãe para o filho sem alterar seu DNA", explica o clínicogeral Joel Cláudio Heimann, líder da investigação feita na USP.

 

O time de Heimann ainda verificou que, por sua vez, sal de menos no prato da grávida pode causar resistência à insulina, quando esse hormônio não dá conta de botar o açúcar para dentro das células. "Não esclarecemos por que isso acontece, mas uma das explicações é que, nessas condições, o fluxo de sangue diminui nos tecidos, prejudicando o trabalho da insulina", diz o pesquisador.

 

Como o trabalho foi realizado só com animais, ainda é preciso averiguar se esses efeitos seriam semelhantes em seres humanos — o que não é improvável. "Ambos são mamíferos e têm tecidos e sistemas parecidos." A dose de sal indicada pela Organização Mundial da Saúde é de 5 gramas por dia — esse valor é o mesmo para gestantes. "Porém, no fim da gravidez, recomendamos reduzir as pitadas para evitar retenção de líquidos", ensina a nutricionista Mariana Del Bosco, da Associação para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica.

 

De olho no prato

 

Uma coisa é certa: a grávida deve ingerir fontes de dois nutrientes imprescindíveis nessa fase. Um deles é o ácido fólico. "Ele é essencial no desenvolvimento do tubo neural, estrutura que forma o cérebro e a medula espinhal", lembra a nutricionista Aline Zeidan, do Hospital Santa Catarina, em São Paulo. A suplementação dessa vitamina geralmente é prescrita na gravidez. Outra substância que não pode faltar é o ferro, já que previne a anemia. "Ele é encontrado nos vegetais escuros, no feijão e na carne vermelha", orienta Aline.

 

O clichê de que as gestantes devem comer por dois merece cautela. "Devemos pensar em qualidade, nunca em quantidade. O obstetra acompanha a grávida e, se necessário, encaminha ao nutricionista", diz o obstetra Luis Fernando Leite, do Hospital e Maternidade Santa Joana, em São Paulo. "Cada mulher precisa ser avaliada de acordo com seu peso antes da gestação e receber um atendimento individualizado", completa Fabíola Suano. Pelo bem dela e do bebê.

 

 

Quando a mãe come gordura demais

Seu filho pode ficar vidrado no nutriente

 

1. A gordura e o açúcar ingeridos pela gestante são absorvidos pela placenta para que o feto se desenvolva perfeitamente.

 

2. A placenta quebra as moléculas dessas substâncias em frações menores, como os triglicérides, que chegam ao cérebro do bebê.

 

3. A presença de gordura no cérebro do pequeno é interpretada pelo órgão como um bom motivo para produzir dopamina, que se encaixa em receptores específicos nos neurônios.

 

4. Esse estímulo é essencial para que o bebê coma ao nascer. Mas, em excesso, pode deixá-lo desejando mais gordura do que precisa.

 

 

Diabete gestacional

Ele é mais um desencadeador de obesidade e hipertensão em crianças e deve ser acompanhado de perto. "Esse tipo de diabete costuma ocorrer em mulheres com predisposição, como as que têm IMC acima de 28 antes de engravidar", diz a médica Rosane Kupfer, da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. Combinar atividades físicas com uma alimentação saudável ajuda a prevenir e até mesmo controlar o problema.

 

Privação que engorda

Um estudo com filhos de mulheres que passaram fome na Segunda Guerra Mundial, nos anos 1940, revelou que a desnutrição materna também causa obesidade. Uma das hipóteses é a de que o organismo das crianças tentaria compensar a privação sofrida na gestação se rendendo à gula ao longo da vida. Além disso, os bebês já nasceriam resistentes à insulina, hormônio que abastece as células com açúcar.

 

Fonte: Hilda Sabino para Revista Saúde

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Outras Notícias



Comentários

  • Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Deixe seu comentário