1. Áries
  2. Touro
  3. Gêmeos
  4. Câncer
  5. Leão
  6. Virgem
  7. Libra
  8. Escorpião
  9. Sagitário
  10. Capricórnio
  11. Aquário
  12. Peixes


Cirurgia Plástica: Dicas para saber se operação vai prejudicar sua beleza

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

 

Exames podem evidenciar a presença de doenças ou fatores que comprometem a segurança da cirurgia.

O número de cirurgias plásticas realizadas no Brasil não para de crescer. De acordo com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), em 2009 foram 629 mil intervenções, em 2010 o número passou para 720 mil e a estimativa é que em 2011 tenha ocorrido um aumento de 10% na quantidade de operações plásticas concretizadas. As pessoas perderam o medo e a vergonha, por isso quem ainda não fez uma plástica certamente vai, no mínimo, pensar sobre esta possibilidade.

O número de pacientes operados em 2011 apontam que  alguns pacientes fizeram mais de um procedimento no mesmo tempo cirúrgico. Atualmente é comum aproveitar para realizar várias cirurgias no mesmo dia, sempre levando em consideração o estado físico do paciente e o porte da cirurgia.

Do total de plásticas realizadas no Brasil a SBCP calcula que aproximadamente 73% tenham objetivos estéticos e 27% reparadores. Independentemente da finalidade da cirurgia, o paciente passa por uma série de exames e avaliações que podem habilitá-lo ou não a ir para o centro cirúrgico. Qualquer ato cirúrgico provoca um trauma ao organismo e o indivíduo está sujeito as consequências do procedimento. Além disso, para que a cirurgia seja bem sucedida o estado de saúde deve ser o melhor possível.

As primeiras consultas ao cirurgião plástico são destinadas a conhecer o corpo e a mente do paciente. A conversa com o médico deve ser franca e dúvidas, medos e expectativas podem ser esclarecidos. É preciso saber qual a motivação para a intervenção, quais resultados são esperados após a cirurgia e o grau de comprometimento com as exigências da operação, como as alterações na alimentação e nos hábitos de vida.

As limitações físicas também influenciam na estratégia adotada para a realização da intervenção cirúrgica, na recuperação após a operação e nos resultados. Uso de medicamentos, doenças e hábitos nocivos à saúde entre eles o consumo de álcool, tabagismo e o sedentarismo entram na lista de análise do cirurgião. A partir dos dados obtidos nos primeiros exames é possível verificar a presença de patologias que possam impedir ou contra-indicar a cirurgia. Em alguns casos é preciso equilibrar o estado do corpo para então o paciente ser liberado.

Excesso de peso e altos índices de colesterol e açúcar no sangue são exemplos de fatores que precisam ser controlados antes da operação, pois há alteração nos aspectos endrócrinos e metabólicos do organismo. Quando há fatores que indicam um risco potencial maior do que os benefícios que a cirurgia pode trazer ao paciente a intervenção é contra-indicada. O médico é responsável por identificar se uma doença já existente pode piorar ou se haverá o comprometimento dos resultados da plástica devido ao estado de saúde do paciente.

A avaliação pré-operatória identifica as situações que podem contra-indicar a cirurgia e o médico tem como missão atuar para que estes problemas possam ser solucionados, sem prejudicar a saúde do paciente, e a operação possa ser realizada com segurança. Quando necessário é indicado um trabalho em conjunto com outros profissionais da área da saúde, como nutricionistas e endocrinologistas, para garantir o bem estar de quem se submete a cirurgia plástica.

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Outras Notícias



Comentários

  • Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Deixe seu comentário