1. Áries
  2. Touro
  3. Gêmeos
  4. Câncer
  5. Leão
  6. Virgem
  7. Libra
  8. Escorpião
  9. Sagitário
  10. Capricórnio
  11. Aquário
  12. Peixes


Andropausa:: Dicas para cuidar do envelhecimento masculino

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

O distúrbio androgênico do envelhecimento masculino (DAEM), ou andropausa, decorre da diminuição da produção de testosterona, hormônio masculino produzido nos testículos.

A andropausa pode causar grande variedade de sinais e sintomas e estar relacionada a diversas enfermidades do homem. No diagnóstico da andropausa, leva-se em conta o que o indivíduo sente e/ou apresenta durante o exame físico para avaliação das possíveis causas.

Muitos homens não estão seguros da maneira mais adequada de escolher um médico. Para começar, pode-se marcar uma consulta com um médico. No entanto, também existem vários especialistas que se ocupam de problemas masculinos específicos como a andropausa.

Transformação que se inicia no homem por volta dos 35 anos pode gerar problemas como hipertensão arterial, diabetes tipo II, dislipidemia e doenças cardiovasculares 

Durante muito tempo as pessoas pensaram que só as mulheres sofriam de pausas e transformações no organismo ao longo da vida e os homens ficavam isentos quanto a essas mudanças. Entretanto, a verdade é outra. Os homens passam por mudanças no corpo que vão além da puberdade. Por volta dos 35 anos, tem início uma queda de testosterona gradativa, a qual é denominada “andropausa”. E, conforme o tempo passa e a queda hormonal se acentua, surgem uma série de sintomas como irritabilidade, depressão, fadiga, alterações do sono, humor e memória, da libido, aumento da gordura abdominal, além dos tão temidos problemas de ereção.

Segundo os cardiologistas todos os homens têm andropausa, mas ficam desconfortáveis ao se confrontarem com o problema, pois a testosterona é vista como funcional apenas no quesito sexual, mas o que os homens devem saber é que há  outras funções para o hormônio no organismo, como evitar hipertensão arterial, arritmia cardíaca, angina e infarto agudo do miocárdio.

Existem doenças relacionadas à diminuição do hormônio sexual no organismo, como hipertensão arterial, diabetes tipo II, dislipidemia, doenças cardiovasculares, acidente vascular cerebral (AVC), doença coronariana, osteoporose, síndrome metabólica e hiperplasia da próstata. Após os 40 anos, a testosterona diminui cerca de 1% ao ano.

São três características básicas para o homem identificar se está na Andropausa. Se a circunferência abdominal está acima de 100 centímetros, se está com quadro de hipertensão ou se anda com mau humor constante, já é hora de procurar um médico para tratar do assunto. Além disso, quando fazem algum tipo de exame, eles imaginam que os níveis do hormônio estejam normais, pois os laboratórios apontam que como ideal de 250 ng/dL a 2.000 ng/dL, sendo que o nível deve ser acima de 700 ng/dL, mais que isso já é considerado prejudicial à saúde, alerta o especialista. Se estiver abaixo de 250 ng/dL, é sinal de que o cérebro e o coração já sofrem há anos, além de já existir alguma disfunção sexual.

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Outras Notícias



Comentários

  • Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Deixe seu comentário