1. Áries
  2. Touro
  3. Gêmeos
  4. Câncer
  5. Leão
  6. Virgem
  7. Libra
  8. Escorpião
  9. Sagitário
  10. Capricórnio
  11. Aquário
  12. Peixes


Mundo Animal: Aquecimento global pode ter mudado a coloração da joaninha

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

As joaninhas de dois pontos (Adalia bipunctata) estão mudando de cor. Nos últimos 30 anos, as cores do inseto mudaram radicalmente na costa da Holanda. O aumento da temperatura pode ter sido um dos principais fatores para a transformação.A teoria foi proposta por uma equipe de cientistas da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, que estudou por quase três décadas as diferenças entre as cores das diversas populações. A pesquisa foi publicada na Heredity, publicação da Genetic Society.

Em 1980, 10% das joaninhas que viviam perto da costa eram pretas com manchas vermelhas (melânicas), enquanto os outros 90% eram vermelhas com manchas pretas (não melânicas). Outro estudo semelhante foi feito 40 quilômetros para o interior. Os resultados apontaram que 40% eram melânicas e 60% não melânicas.

Durante 25 anos, o estudo foi repetido com mais de 50 gerações do inseto. Na última análise, feita em 2004, os cientistas constataram que somente 20% das joaninhas de qualquer área eram melânicas. Esta tendência parece se encaixar com os dados de temperatura ao longo do período, que mostram que a área sofreu um aquecimento nas últimas três décadas.

A diferença de cor é provavelmente uma adaptação que permite às joaninhas escuras ficarem aquecidas nas áreas mais frias, enquanto as de cor clara não ficam aquecidas demais em regiões mais quentes. Uma proteína é responsável pelas diferentes cores da joaninha e a mudança genética de uma para a outra é muito simples.Mesmo assim, os cientistas ainda não sabem exatamente como a luz solar pode ter influenciado na mudança. A confirmação desta ligação da mudança de cor com o clima só poderia ser feita com uma série de estudos que estimulassem experimentalmente as transformações em laboratório.


Fonte: Anderson Estevan - National Geographic Brasil Online

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Outras Notícias



Comentários

  • Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Deixe seu comentário