1. Áries
  2. Touro
  3. Gêmeos
  4. Câncer
  5. Leão
  6. Virgem
  7. Libra
  8. Escorpião
  9. Sagitário
  10. Capricórnio
  11. Aquário
  12. Peixes


Seu filho tem vergonha de você?: Típico de adolescentes, o comportamento deve ser analisado para não extrapolar limites

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

A vergonha que alguns filhos demonstram ter dos pais, nomeando por ''micos'' suas atitudes, gera muitos conflitos familiares.  Esse comportamento típico de adolescentes deve ser cuidadosamente analisado a fim de que não extrapole os limites da normalidade.

É interessante, pois, que os pais busquem compreender o que está se passando na mente de seus filhos. Os adolescentes diante dos amigos desejam parecer corajosos, independentes e crescidos, muito antes de poderem realizar esse desejo. Nesse caso, a vergonha ocorre pela necessidade de rejeitar o modelo dos pais e seu comportamento. Bom frisar que os pais não são culpados e que é apenas questão da necessidade do adolescente em afirmar a identidade no seu grupo.

Mas é preciso diferenciar a atitude normal de ''menosprezar'' os pais do distanciamento mais grave; principalmente quando os filhos demonstram desvio de caráter procurando parecer o que não são. Quando essa situação tem continuidade na vida adulta os problemas de relacionamento tendem a piorar. Este é o caso da novela da Rede Globo, Fina Estampa, com a personagem da atriz Lilia Cabral, a Griselda ,e o ator Caio Castro interpretando seu filho Antenor. Por isso a importância de detectar o quanto antes até aonde é normal esse tipo de atitude dos filhos.

A melhor forma de reagir é sempre com bom humor, afastando lamentos e reclamações. Tratando-se de adolescentes os beijos, abraços e apelidos podem esperar por um momento mais íntimo; procure não expor seu filho na frente dos amigos. Colocar a criança em uma situação constrangedora é sempre prejudicial.  Entretanto, se você perceber algo mais sério na atitude de seu filho, procure estar mais próximo dele, chame-o para conversar, mas lembre-se de escutar mais e falar menos. Mostre a ele que você o compreende, mas não deixe de manifestar sua discordância, sem revolta ou cobrança, apenas opine de forma a fazê-lo refletir sobre as suas razões.

Em todo caso é sempre bom lembrar que desespero, briga e ressentimento só provoca mais dor e distanciamento. Procure fazer com que essa questão se reverta em maior união familiar exemplificando o respeito tão fundamental para a harmonia das relações. Quando o filho se sente respeitado geralmente age da mesma maneira e, dessa forma, a relação de vocês só tende a se estreitar.



Fonte: Suely Buriasco. Educadora, escritora e mediadora de conflito.

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Outras Notícias



Comentários

  • Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Deixe seu comentário