1. Áries
  2. Touro
  3. Gêmeos
  4. Câncer
  5. Leão
  6. Virgem
  7. Libra
  8. Escorpião
  9. Sagitário
  10. Capricórnio
  11. Aquário
  12. Peixes


A comunicação que a Igreja faz: Como é utilizado os meios de comunicação para levar mensagem às pessoas

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut


 Atualmente a Igreja no Brasil detém a concessão de centenas de emissoras de rádio, inclusive organizadas numa rede chamada RCR (Rede Católica de Rádio); inúmeros jornais e revistas, centenas e talvez milhares de sites e blogs marcando uma presença determinante no espaço digital com grande desenvoltura.  Quanto à televisão, o maior veículo de comunicação de massa atual, já soma quase um dezena de emissoras e, claro, algumas com maior expressão e abrangência nacional.

 Se na década de 80, quando a Igreja ainda engatinhava nos meios de comunicação, e nem as TVs católicas e a internet existiam ainda, o lema era “Evangelizar é mais fazer do que dizer”, e isso em todos os campos, também o da evangelização com as mídias, hoje o foco é outro. Agora, a hora é de utilizar “bem” o potencial dos meios de comunicação da Igreja e trabalhar mais conjuntamente para levar sua mensagem a um número maior de pessoas.

 No Muticom, cujo tema é “Comunicação e Vida: Diversidade e Mobilidade”, a equipe organizadora preocupou-se em propor as mais diversas reflexões, debates e oficinas para os cerca de oitocentos participantes. Além de palestras sobre a mídia contemporânea, ficção, vida cotidiana e a vida captada e narrada pelos meios de comunicação, o Mutirão também oferece nas oficinas o contato prático com a comunicação gerencial, pastoral e técnica. As diversas modalidades são: Blogs, sites, portais, publicidade e propaganda, texto jornalístico, comunicação feita pelo escritório da paróquia, planejamento executivo de shows e eventos católicos etc.

 Os participantes são comunicadores que atuam na mídia católica, membros das Pastorais da Comunicação de todo o país, estudantes de comunicação social e comunicadores em geral.

 Nas discussões têm se apresentado a necessidade de qualificação para os comunicadores católicos; aperfeiçoamento da linguagem utilizada; um olhar para o homem todo, humano e espiritual; a manutenção da verdade como essencial valor para a construção de uma sociedade sem vícios e corrupção e o respeito aos valores do outro.

 Durante seis dias, profissionais renomados como Luiz Erlanger, Diretor da Central Globo de Comunicação; Marcelo Canellas, repórter especial da TV Globo;  André Trigueiro, apresentador da Globonews; cineastas como Ismail Xavier e Moira Toledo, professora da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP); o Coronel Robson Rodrigues da Silva, Comandante Geral das Unidades de Polícia Pacificadora do Rio de Janeiro (UPPs); e dezenas de  outros profissionais e especialistas estão se revezando nos debates com a intenção de despertar o senso crítico e o desejo de uma formação permanente dos comunicadores católicos. 

 A Igreja ainda está sendo desafiada a criar uma estratégia comunicativa comum a toda a sua mídia e a fazer uma imersão em si mesma para descobrir como quer ser vista e como quer ser identificada na sociedade. Os bons ventos comunicativos estão soprando no Muticom 2011. Que eles amplifiquem para o a Igreja do Brasil as vozes e os testemunhos daqueles que aqui  estão ou que ouvirão seu ruído a fim de que o mundo possa conhecer  “a razão da nossa esperança” (cf. 1Pd 3,15).

 

Fonte: Ronaldo da Silva, membro da Comunidade Canção Nova.

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Outras Notícias



Comentários

  • Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Deixe seu comentário