1. Áries
  2. Touro
  3. Gêmeos
  4. Câncer
  5. Leão
  6. Virgem
  7. Libra
  8. Escorpião
  9. Sagitário
  10. Capricórnio
  11. Aquário
  12. Peixes


Deve ser moda. Deve ser. Só pode ser.: Será que educação está fora de moda?

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut


Lembro sempre do coelho da Alice, aquele que comemora desaniversários todos os dias. Mas no caso falaremos é de deselegâncias, que o povo anda fazendo a torto e direito todos os dias. Tem também umas manias...

Encontros marcados e desmarcados em cima da hora, como se não fizéssemos mais nada a não ser sempre estar à disposição, com um tapete vermelho, pronto a ser estendido. Respostas prometidas que nunca chegam. Projetos solicitados para "ontem" que se desintegram no ar junto com quem pediu. Ando notando e anotando que - digamos - a "etiqueta", a mínima, a básica, a da educação, virou mesmo uma coisa fora de moda.

Se isso ocorre habitualmente no mundo empresarial, onde sempre há algum dinheiro envolvido, deve andar muito pior ainda no convívio social. Nem é mais o caso do tal telefonema do dia seguinte que as mulheres (como se não acontecesse com os homens) tanto esperam. Esse já virou mito. Lembro que chegava a ficar tirando o telefone do gancho toda hora para ver se ele estava funcionando mesmo, queria ouvir o barulho da linha, e era capaz de brigar feio se alguém ousasse "ocupar" o aparelho. Sempre achava que exatamente naquela hora a pessoa ia ligar, ia dar ocupado, e baubau. Quando não havia tanta tecnologia nos sujeitávamos a cada uma! E nem vem: você também já fez isso. Apenas admita.

Agora não, já estamos na sala da Casa da Mãe Joana, e com os pés em cima da mesa. Se nego diz que vai ligar, bah! ninguém mais nem acredita mesmo, tal é a esbórnia. E logo agora que não há mais tantos álibis de dificuldades com o advento do celular, SMS, caixa postal, orelhões, telefone sem fio, fora redes sociais, etc. Outro dia me toquei de uma morte horrível - que não chegou a ser registrada e lamentada - e de uma coisa que, pelo menos para mim, era parte da "família": a coitada da secretária eletrônica, que sempre levava culpa por alguma coisa, ou por pegar o recado e não transmitir, assim como falhar justamente quando não podia, às vezes por mera falta de luz. Eu amava minha recadeira. Hoje, a aposentei. Ela, que ficava em casa quando eu ia trabalhar; e o telefone fixo, aliás, aposentado junto.

Agora também todo mundo mente, na cara dura. O que é pior, contando com a ajuda da péssima qualidade dos serviços públicos que realmente estão inacreditáveis - e eu sei por que me obrigo a usar pelo menos duas operadoras para me garantir. Mesmo assim, toda hora tem um esperto (a) tentando! Você pode ter passado o dia atendendo o celular, de um monte de gente, parado em um mesmo lugar, sem nem passar em túneis. E quando pergunta por que AQUELA pessoa não ligou, a resposta, invariável. "Eu liguei, mas não dava sinal". Ou, pior: "Liguei, mas caiu na caixa postal". Carambas, Caracas, caracolas: para o que serve a "!%#@+*" da tal caixa postal? Não foi criada exatamente para pegar a mensagem?

Ou as pessoas são tão tímidas que não conseguem falar com a boca no microfone? O que custa?...hum hum...

Enfim, deve ser moda. Outra: você dá passagem para o sujeito atravessar na rua, e ele vai lento, balançando a bunda, olhando pra sua cara com certo ar bovino; isso quando não atravessa a rua de costas, na diagonal e ainda te xinga se bobear. Tem essa, outra, o de se fazer de bobo para viver, de desentendido: você pergunta uma coisa, ou observa algo, vê claramente que a pessoa ouviu muito bem, mas esta, talvez por hábito, "ganha tempo" e devolve: "Hein? Hein? Como? O que disse?"

Só pode ser moda. Você, recheado de razão, vai reclamar de algo. Por exemplo, com o síndico. Ou com a empregada de casa. No trabalho. Na loja. E o que acontece? O outro lado vem e te despeja uma história que não tem nada, nadica de pitibiriba, a ver com o caso, em geral mais triste do que a crucificação de Cristo, ou para justificar, ou para te deixar com a cabeça caída. Responde, mas mandando tal carga negativa que você tem vontade é de sair dali voando e se internar num convento, passar a cuidar apenas de atividades filantrópicas, doar tudo o que tem. Agora, aprendi: fez isso? Ah, vai ouvir um cabedal, uma cachoeira, um rio caudaloso de problemas porque aí recolho todos - os que eu já tive, tenho e talvez terei, ou li sobre em algum lugar; peço emprestado os problemas dos amigos e afins, criando mais detalhes verdadeiramente escabrosos, pingando sangue, suor e lágrimas. Ora, façam-me um favor!

Deve ser. Deve ser moda. Só pode ser. Ou bactéria. Pegou na política também. Petistas e simpatizantes andam batendo verdadeiros recordes nisso, em torcer a porca, mudar o foco quando são flagrados, explicar que não é bem assim, "ô gente ruim"! Não há assunto, denúncia, fato comprovado que apareça que eles não digam que tudo não passa de mera invenção da mídia conservadora burguesa que não quer deixar que acabem as injustiças sociais e pretende detonar as grandes conquistas dos trabalhadores, travar o desenvolvimento e o crescimento da Pátria. Todas, claro, vantagens obtidas apenas por ele, O Criador, claro, O Lula, quando o mundo começou - não sei se você sabe, fato que ocorreu apenas em 2002, Ano da Assunção. No futuro não haverá arqueólogo, sociólogo, que entenda essa Era, nem chupando os ossinhos que escavarem.

Impressionante. E eu achando que já tinha visto de tudo.





Por:  Marli Gonçalves é jornalista. Aliás, também deve ser moda ser jornalista. Porque agora todo mundo, incluindo atores e humoristas, se apresenta como repórter, jornalista, apresentador de tevê, comunicador, famoso, entrevistador, perguntador, blogueiro. Fuja dos que se dizem "independentes". É moda, e vai passar..

 

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Outras Notícias



Comentários

  • Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Deixe seu comentário