1. Áries
  2. Touro
  3. Gêmeos
  4. Câncer
  5. Leão
  6. Virgem
  7. Libra
  8. Escorpião
  9. Sagitário
  10. Capricórnio
  11. Aquário
  12. Peixes


Planejamento Nutricional: Combate contra a obesidade infantil

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Com os índices de obesidade infantil crescendo no país, estudiosos definem quais medidas devem ser tomadas para evitar uma pandemia de gorduchinhos


Durante o dia a dia, a criança tem acesso às mais diversas guloseimas. Seja na cantina da escola, no armário de casa ou no mercadinho, a dieta infantil é bombardeada por açúcares, frituras, gorduras saturadas e outros elementos prejudiciais à saúde. Por isso, convidamos o endocrinologista Carlos Augusto Costa, do Hospital Esperança, Recife, para nos alertar sobre os perigos da obesidade infantil e ensinar como planejar a ingestão saudável de alimentos das crianças, principalmente em época de férias.


“A obesidade infantil tem sido um problema mais frequente, provavelmente por uma combinação de fatores como a diminuição do espaço para brincar nos centros urbanos associado com o aumento dos jogos eletrônicos, computadores, etc.”, explica Carlos Augusto. O endocrinologista também alerta para uma mudança que tem ocorrido no cardápio dos pequenos: “É uma mudança na alimentação, com menos frutas e mais frituras e doces”.


O primeiro passo para melhorar a alimentação dos pequenos pode ser comprar uma lancheira e colocar comida saudáveis para alimentar a criança no recreio, pois a preocupação com a nutrição da criança tem que partir dos pais. O endocrinologista ressalta: “A criança deve ser acostumada com frutas e vegetais de uma forma geral desde cedo. Algumas pesquisas sugerem que o paladar se desenvolve até por volta dos quatro anos de idade, ou seja, se a criança se acostumar com uma dieta variada até esta idade, vai levar o hábito de ser saudável ate o fim da vida”.


“O momento da alimentação deve ser calmo e prazeroso desde cedo, com riqueza de alimentos e várias cores, texturas e sabores para que a criança se acostume”, explica Carlos Augusto. Contudo, a publicidade também aguça o sentido dos pequenos. Mas não para uma alimentação saudável. Propagandas coloridas e personagens animados estimulam o consumo ao ilustrar campanhas e embalagens. Por essa razão, a sociedade médica americana se pronunciou exigindo a retirada dos brinquedos que costumam vir como brinde nos lanches da McDonald’s, bem como a extinção de seu mascote, o famoso palhaço Ronald McDonald. Quando perguntamos a opinião do médico, ele foi assertivo: “A estratégia de separar a comida gordurosa dos brindes me parece uma ideia correta. Comida é comida, brinquedo é brinquedo”.


Os alimentos com mais gordura e mais doces, porém, não precisam ser banidos, mas pode-se reduzir o tamanho das porções e a frequência de seu consumo, afirma o médico. “Ainda que se deva respeitar a individualidade da criança, provavelmente de alguma fruta ou verdura ela há de gostar”, diz. As refeições principais para qualquer idade são o desjejum, o almoço e o jantar. “O lanche deve ser uma refeição muito pequena no tamanho e na importância”, ressalta o profissional.


Para finalizar, o lanche escolar, como em varias experiências pelo mundo, deve ser realizado coletivamente entre as crianças pequenas até 6-7 anos, tanto para o controle de educação alimentar quanto para socialização entre os alunos. “Em geral, o interesse primordial de uma cantina não e exatamente oferecer uma dieta balanceada, mas sim ter boas vendas com alimentos que chamem mais a atenção. E isso quase nunca será compatível com o que se possa chamar de lanche saudável”.

 

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Outras Notícias



Comentários

  • Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Deixe seu comentário