1. Áries
  2. Touro
  3. Gêmeos
  4. Câncer
  5. Leão
  6. Virgem
  7. Libra
  8. Escorpião
  9. Sagitário
  10. Capricórnio
  11. Aquário
  12. Peixes


Acredita nos Signos?: Conheça as teorias contra e a favor da Astrologia e decida

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Argumentos a favor e contra a astrologia

A astrologia é um campo de conhecimento controverso, e há argumentos a favor e contra a validade de seu estudo. A ciência questiona que ela funcione. A esse respeito, em 1975 um grupo de astrônomos assinou um artigo contra a astrologia. Ausência notável nesta lista, Carl Sagan não assinou. Ainda que declarando-se claramente contrário a astrologia, julgou autoritária a linguagem do artigo.
Argumentos contra a astrologia

Uma vez que alguns astrólogos afirmam ser capazes de fazer previsões sobre o futuro, deve ser possível elaborar um método para medir a precisão destas previsões. Aqui vários cépticos acreditam que se poderia usar o mesmo método usado para a Meteorologia que é usada para prever o tempo. Contudo, os astrólogos negam este tipo de teste argumentando que o factor humano presente no trabalho astrológico não permite uma comparação legítima às ciências exactas, mas sim às ciências sociais e humanas, tais como a Psicologia e Sociologia. Até hoje, a nível oficial, nenhum astrólogo apresentou um teste às capacidades preditivas da astrologia, e os testes feitos por terceiros não demonstraram que o grau de precisão das técnicas testadas fosse superior ao do puro acaso.

Outros astrólogos afirmam que a astrologia não é usada para prever o futuro, e sim para guiar e orientar os seus clientes através do seu potencial revelado no horóscopo. Ainda assim, testes usando dois grupos de controlo[1] mostraram que o grau de precisão de um astrólogo, ao cambinar um horóscopo com o perfil de um cliente, não é maior que uma pessoa leiga fazendo as mesmas associações. Por outro lado, outros testes, como aquele executado pelo famoso céptico Michael Sherner ao astrólogo védico  mostram exactamente o oposto.

    •    Alguns astrólogos, por vezes, usam argumentos científicos para explicar suas práticas. Por exemplo, costuma-se dizer que, como a Lua causa as marés na Terra, é razoável acreditar que a força gravitacional de outros corpos celestes, mais pesados como os planetas pode nos afetar também. Este argumento é inválido por duas razões:

    1.    O puxão gravitacional de um planeta como Saturno, com massa 90 vezes maior que a da Terra, em uma pessoa daqui da Terra é igual ao puxão gravitacional de um carro a 1,7 metros desta pessoa. Ainda assim os astrólogos não parecem interessados na posição dos carros no hora do nascimento de ninguém, ou mesmo se a pessoa nasceu em um estacionamento.

    2.    Esses astrólogos não oferecem qualquer explicação plausível e testável de como a força gravitacional pode afetar a personalidade de uma pessoa, por que somos suscetíveis ao efeito gravitacional durante o nascimento nem de como uma influência gravitacional no passado pode afetar nosso destino futuro.

    •    Outro tentativa de explicação científica para a Astrologia é a de que os corpos celestes pesados afetam o campo magnético da Terra e que o campo magnético da Terra, de alguma forma, afeta a pessoa durante o nascimento. O problema é que o campo magnético da Terra é extremamente fraco se comparado com outras fontes. Ele varia de 0,3 Gauss a 0,6 Gauss dependendo do ponto na Terra. Pode-se ter um campo magnético muito maior que este usando-se apenas um imã de geladeira.

    •    O sistema do Zodíaco tropical, usado pela maioria dos astrólogos no ocidente, não se alinha com as constelações do mesmo nome. Isto induz a maioria dos céticos a fazerem uma associação entre a faixa de constelações real e aquela usada pelos astrólogos. Contudo, não há qualquer associação entre os dois. As constelações sempre tiveram tamanhos diferentes entre sí, enquanto os signos são - e sempre foram - de 30º exactos. Parte da razão pela qual este mito persiste se deve ao facto de muitos astrólogos falarem frequentemente dos signos pelo termo "constelação".

    •    Como resultado da confusão entre constelação e signo, a constelação de Serpentário é muitas vezes referida como a 13º constelação do zodíaco.

    •    A astrologia antiga conhece apenas até o planeta Saturno e os trans-saturnianos foram batizados por não astrólogos, assim é difícil para a maioria dos cépticos crer que possam ser usados nas análises modernas. A maioria dos astrólogos modernos reconhecem Plutão como planeta principal, e procuram fazer o mesmo outros astros, como Éris, que foi descoberto na década de 2000 provando que poderiam haver vários outros corpos celestes pequenos e similares. Os astrólogos afirmam que, como qualquer corpo de conhecimento, também a astrologia evolui e a adição de novos planetas, asteróides ou outros elementos do céu não põe em causa, de todo, o conhecimento passado.

    •    O mapa astral, também conhecido como horóscopo, é elaborado a partir do nascimento de um indivíduo, ou objeto, ou país. A maioria dos cépticos questiona porque o momento do nascimento é tão importante e não o da fecundação, onde efetivamente se define o DNA de um zigoto, elemento biológico reconhecidamente influenciador da personalidade e constituição física de um indivíduo? A resposta dos astrólogos é que é no momento de nascimento que a entidade se torna um individuo. No caso de um país, por exemplo, não basta a ideia de formar país, mas sim o momento em que a existência do país é oficializada e já não há retorno.

    •    Se uma mulher que marca uma cesariana não estaria mudando o destino cósmico de seu filho? A resposta dos astrólogos a esta questão não faz sentido porque ninguém tem um destino traçado no seu horóscopo - caso contrário todas as pessoas com um horóscopo igual teriam também destinos similares.

    •    Alguns céticos questionam o que marca o momento de nascimento. Se um parto demora 20 horas, o que define o instante exato? As primeiras contrações, o estouro da bolsa, o aparecimento da cabeça do bebê pela vagina (ou corte da cesariana) ou o corte do cordão umbilical? Talvez fosse ainda, o momento mais provável de ser o utilizado na grande parte dos mapas, aquele que um médico ou enfermeiro resolve anotar como sendo a hora do nascimento. No caso de nascimento de um país ou objeto, a definição de um instante exato é ainda mais subjetiva. Em resposta, alguns astrólogos consideram que aquilo que determina o horóscopo de uma pessoa é o momento em que ocorre a primeira respiração, embora nas abordagens mais modernas da astrologia ocidental o momento do corte umbilical é o que realmente importa. Os astrólogos, em geral, também reconhecem que os dados de nascimento registados podem não estar completamente correctos, razão pela qual podem aplicar técnicas de rectificação para descobrir a hora e minuto exactos de nascimento.

    •    Sendo ainda o momento do nascimento decisivo para a personalidade de um indivíduo, por exemplo, para a formação de um grande atleta, alguns cépticos questionam se não seria de esperar que em uma olimpíada houvesse grande concentração de competidores que houvessem nascido em um mesmo instante? Da mesma forma, normalmente profissionais de uma mesma área tem comportamentos e personalidades semelhantes, como por exemplo a letra normalmente ruim dos médicos. Seria esperado que a maioria tivesse o mesmo horóscopo, mas isso não ocorre. Os astrólogos respondem a este argumento afirmando que o horóscopo representa apenas o potencial do individuo, e não o seu destino. Como tal, existem diversas variantes como a genética do indivíduo, meio familiar, social e cultural, etc. que influenciam as decisões de cada um e devem ser consideradas.

    •    Alguns cépticos questionam porque os astrologos não descobriram urano, neptuno e plutão muito antes dos astrônomos, mas esse é um falso argumento porque existem vários relatos de astrólogos que fizeram previsões em relação à descoberta de novos astros, como foi o caso de Quiron, que foi descoberto oficialmente em 1977 e tinha sido previsto por Fernando Pessoa, Charles Jayne e Dane Rudhyar (entre outros), no princípio do século XX, como um novo astro que iria surgir por volta de 1975, entre saturno e urano, com um período de revolução (órbita) de cerca de 50 anos.

    •    Alguns céticos também questionam porque os astrólogoos ignoram alguns astros, como os satélites Ganimedes e Titã apesar de serem maiores que o planeta mercúrio, ao que os astrólogos respondem que nem tudo o que existe no espaço foi estudo astrologicamente e, nos casos dos satélites naturais de certos planetas, tal estudo seria dificil visto que ocupam o mesmo grau do mesmo signo que o planeta que orbitam e, por consequência, não seria possivel diferenciar o efeito de um ou outro. Em adição, alguns astrólogos defendem que os satélites naturais não fazem mais que replicar o efeito do planeta que orbitam. Esta teoria explica porque alguns astrólogos defendem que a Terra rege o signo de Caranguejo e, por isso, se um dia nascer um bebé fora do planeta Terra, será o planeta, e não a lua, que deverá ser considerado na interpretação de um horóscopo.

   Argumentos a favor da astrologia

    •    O que se chama popularmente de astrologia são os horóscopos de jornal, que não são considerados sérios pelos astrólogos.


    •    O Zodíaco tropical é o mais utilizado pelos astrólogos no ocidente. Esse sistema leva em conta tanto o Equinócio de primavera do hemisfério norte como a entrada do signo de Áries, iniciando o ano astrológico. Isso significa dizer que a astrologia tradicional não utiliza as posições das constelações e sim as estações do ano e os ciclos naturais para definir os períodos do ano astrológico. O ano astrológico é dividido em 12 signos de 30 graus cada um. Cada signo leva o nome de uma constelação por há aproximadamente 2000 anos coincidir com as constelações astronômicas. Essa diferença ocorre devido ao movimento de precessão do eixo terrestre; então, na Astrologia clássica, são mais importantes os ciclos naturais do nosso planeta em relação ao céu, e isso é o que define os signos ou símbolos estereótipos.

    •    Uma configuração planetária só se repete uma vez a cada 25.858 anos, devido ao movimento de precessão. Além disso, segundo os astrólogos, para duas pessoas terem exatamente as mesmas características e passarem pela mesmas experiências de vida, deveriam nascer no mesmo instante, no mesmo local, com a mesma herança genética, a mesma influência familiar, social, e cultural - o que é impossivel visto que mesmo irmãos gémeos que tenham, hipoteticamente. nascido no mesmo segundo, não podem preencher o mesmo espaço e, à medida que crescem, terão que tomar decisões que os distinguem inevitavelmente.

    •    Conta-se como exemplo o caso de Samuel Hemmings, que teria nascido no mesmo dia, no mesmo local e quase no mesmo instante que o rei Jorge III do Reino Unido, em 4 de junho de 1738 e cujas experiências de vida teriam vários paralelos: casaram e morreram no mesmo dia e, no dia em que o rei foi coroado, ele abriu um negócio de ferragens. Apenas o fator social, que não é previsto pela astrologia, impediu que ambos tivessem o mesmo tipo de negócios, mas ambos se tornaram administradores: um de um reino, outro de um negócio.

    •    Alguns astrólogos dizem que a influência dos planetas é ocasionada por energias de origem espiritual, e que por isso mesmo não podem ser mensuradas pelos cientistas através de aparelhos. Os cépticos questionam porque esses astrólogos deixam de explicar como eles podem interpretar estas mesmas energias espirituais se nao sao capazes de medi-las, enquanto outros astrólogos negam esta abordagem e defendem que a astrologia e a espiritualidade devem ser mantidas em separado.






    • Fontes

    •    Anna Maria Costa Ribeiro: Conhecimento da Astrologia, Hipocampo.
    •    Derek e Julia Parker: O Grande Livro da Astrologia, Círculo do Livro.
    •    Helena Avelar e Luis Ribeiro: Tratado das Esferas, Pergaminho.
    •    Melanie Reinhart: Chiron and the Healing Journey, Starwalker Press.
    •    Wikipedia
 

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Outras Notícias



Comentários

  • #1 ELANY LINS
    19/07/2011 12:33

    eu acredito na astrologia e acredito verdadeiramente em meu signo visito sempre esse site pra saber td sobre os astros

  • #2 nathalia
    31/07/2011 22:09

    Eu acredito

  • #3 Andréia Groth
    13/04/2012 08:38

    Eu e mas duas colegas, Iara e Rubia, estamos curçando o 3º ano do Ensino Médio, é costume por aqui todo ano todas as turmas fazer pesquisar,fazer projetos e apresentar para outras escola, e nós vamos fazer sobre a influencia da Astrologia na personalidade das pessoas. Acreditamos e queriamos, se for possível mais informações concretas sobre a Astrologia.obrigada

Deixe seu comentário