1. Áries
  2. Touro
  3. Gêmeos
  4. Câncer
  5. Leão
  6. Virgem
  7. Libra
  8. Escorpião
  9. Sagitário
  10. Capricórnio
  11. Aquário
  12. Peixes


Crença, fé e magia na infância: Símbolos natalinos desenvolvem os valores humanos

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Da Redação BemZen

“Os símbolos natalinos devem ser inseridos ainda nas vivências da primeira infância pelos pais e adultos responsáveis”, aconselha a psicóloga Sônia Bagatini, assessora de diretoria da organização filantrópica SOS Casas de Acolhida, que cuida de crianças vítimas de violência de zero a seis anos. De maneira positiva, ela frisa um elevado benefício ao introduzir os valores que o Natal representa, não apenas no final do ano, mas, também, na rotina do dia-a-dia.

“E o Papai Noel é a parte mágica disso, vem para reforçar valores e crenças por meio de conversas entre as crianças e os adultos. Depois, na entrega dos presentes, o amor que todos merecem é desencadeado pelos símbolos”, diz a psicóloga lembrando que é incorreto corrigir comportamentos em troca de presentes. “Infelizmente, o Papai Noel tem sido usado para assustar, tão errado como os pais que, por exemplo, prometem uma bicicleta no Natal se a criança for aprovada na Escola”, desabafa.

Sônia chama a atenção de pais e cuidadores para a possibilidade de que a criança pequena desenvolva sequelas ao seu desenvolvimento biopsicossocial quando exposta aos seus atos
indesejáveis, em situações que a figura do Papai Noel é distorcida e temida. “Por exemplo, se a criança ainda faz xixi na cama, é comum ser humilhada na frente dos familiares”, mostra. O ideal, de acordo com a profissional, seria deslumbrar o Natal como a visita de Noel que vem reforçar tudo aquilo que a criança tem de positivo, servindo de estímulo para que ela se motive a conquistar mais comportamentos positivos. “Os resultados seriam bem melhores”, frisa.

Percebido pela sociedade como um terno pai que chega às famílias de todo o mundo uma vez por ano, o comportamento do bom velhinho deve ser o daquele que reconhece as potencialidades da criança, que reforça os valores positivos e, assim, retribui com o presente. “Isso é Natal de verdade, pois para a criança o julgamento não é importante, muito menos em público”, reforça a psicóloga.

O Natal, nas SOS Casas de Acolhida, é transmitido como uma festa de celebração de amor, paz e valores que se constrói durante o ano todo. Como deveria acontecer em todos os lares, afasta julgamentos e "compra" de comportamentos desejáveis. O bom comportamento, contudo, deve ser uma conquista da interação entre pais e filhos ao longo do desenvolvimento infantil.
 

Foto (chamada): Tom Clare, FreeDigitalPhotos.net

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Outras Notícias



Comentários

  • Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Deixe seu comentário