1. Áries
  2. Touro
  3. Gêmeos
  4. Câncer
  5. Leão
  6. Virgem
  7. Libra
  8. Escorpião
  9. Sagitário
  10. Capricórnio
  11. Aquário
  12. Peixes


Chatinhos para comer: Cuide da alimentação do seu filho

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Por Redação Bemzen

As 10 coisas que não podem faltar na alimentação do seu filho:

Eles crescem rapidamente. Torna-se mais difícil convencê-los a comer certos alimentos, pois com o passar do tempo eles vão ficando mais seletivos. É nesse momento que as regras são bem-vindas, os pais não podem aceitar que os pequenos decidam sozinhos o horário e o que comer. O ideal é que as normas sigam a rotina da casa, com horário para acordar, tomar café-da-manhã, almoçar, lanchar, jantar, tomar banho, brincar, estudar entre outras tarefas e atividades.

A especialista Priscila Maximino, nutricionista da Nutrociência Assessoria em Nutrologia, explica que a criança precisa comer os alimentos de forma variada e colorida, mas a quantidade também deve ser suficiente para suprir as necessidades da faixa etária. “Para evitar que a falta de nutrientes na alimentação provoque inúmeros malefícios, vale a pena encontrar alternativas atraentes para oferecer os alimentos às crianças seletivas”, reforça.

A nutricionista alerta: “uma alimentação pobre em nutrientes traz prejuízos como atraso de crescimento, dificuldade de ganho de peso – o que gera aumento das chances de adquirir infecções de repetições, como gripes e resfriados – falta de concentração e dificuldade de aprendizado, e a mal formação de ossos e dentes”.

Dessa forma, a especialista aponta o que se pode considerar uma alimentação balanceada para crianças de 1 a 10 anos.

Carnes (vermelha, frango e peixe): alternando com  peixe e frango nas refeições de almoço e jantar.  Entre os alimentos com alto teor de ferro e zinco, estão  as carnes vermelhas, o fígado, os rins e outros órgãos. A gema do ovo, as folhas verdes escuras e os grãos de leguminosas também possuem um alto teor de ferro, mas este ferro não é tão fácil de ser absorvido pelo organismo. Entretanto, comer frutas ricas em vitamina C (por exemplo, laranja e mamão) na mesma refeição aumenta a absorção do ferro;

Cereais (arroz, aveia aipim, batata-doce, macarrão, batata, cará, farinhas): Esses alimentos fornecem carboidratos complexos e são importante fontes de energia. Cereais enriquecidos também fornecem ferro. Devem ser consumidos em várias refeições, já que são os principais fornecedores de energia do organismo. Por exemplo: no café da manhã, entram os cereais ou pães. No almoço e jantar, arroz, macarrão, batata, mandioquinha;

Feijão: fonte de proteínas, fibras e ferro não-heme;

Frutas in natura: salada de frutas e sorvete caseiro são boas opções para estimular o consumo de frutas. Deixar as frutas à  vista, levar a criança ao supermercado ou à feira  pedindo que  ela  ajude a escolher as frutas;

Vegetais amarelo-alaranjados:
(cenoura, abóbora, manga, mamão) ricos em vitamina A atua na  prevenção da cegueira noturna, necessária para o crescimento e desenvolvimento celular, e resistência contra doenças infecciosas e esses alimentos podem ser utilizados cozidos em purê pães, no arroz, em tortas;

Vegetais verde-escuros:
(espinafre, brócolis, couve, agrião) fontes de vitamina A, C, ácido fólico, potássio;

Hortaliças cruas:  São o que comumente chamamos de salada. No caso das folhas verdes devem ser picadinhas como se fosse um tempero verde;

Suco de frutas natural: importante prepará-lo e logo após consumi-lo para utilizar as vitaminas por completo;

Alimentos ricos em gordura e açúcar (margarina, manteiga, óleos, açúcar, chocolate e outros alimentos doces ou gordurosos). Uma pequena quantidade de gordura é necessária, por isso as fontes desses alimentos devem ser consumidas em proporções controladas, pois também fazem parte da formação de energia do crescimento, e também da formação hormonal. Porém, por serem altamente calóricas, grandes porções ou o frequente consumo destes alimentos, inibem o apetite para alimentos mais saudáveis e podem promover a obesidade infantil;

Boa hidratação: água, sucos naturais pouco adoçados.



 

Suplementos alimentares devem ser usados com acompanhamento de especialistas


 

Além da conscientização de uma alimentação baleanceada para o seu filho, a especialista alerta para outro fator. “Deve ser observado se a criança possui dificuldades para se alimentar. Nesse caso, a orientação é procurar um especialista infantil, pois quando há dificuldade por qualquer motivo de garantir a ingestão adequada de alimentos, existem outras formas de solucionar a questão, como o uso de suplementos alimentares e o trabalho de reeducação alimentar da criança e da família”.

O suplemento alimentar pode ser um aliado dos pais para garantir a nutrição completa e balanceada para crianças que não comem bem. O suplemento é um alimento em pó com fórmula balanceada e equilibrada – fonte de proteínas, lipídeos, carboidratos, vitaminas e minerais, que não interfere no apetite da criança. Afinal a sua finalidade não é substituir refeições, mas sim fornecer um equilíbrio à alimentação natural. Vale ressaltar que o produto deve ser usado de acordo com a orientação do especialista.

 

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Outras Notícias



Comentários

  • Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Deixe seu comentário