1. Áries
  2. Touro
  3. Gêmeos
  4. Câncer
  5. Leão
  6. Virgem
  7. Libra
  8. Escorpião
  9. Sagitário
  10. Capricórnio
  11. Aquário
  12. Peixes


Crescimento emocional:: Nossa essência é celestial

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Não importam as divergências de opiniões. Não importam as brigas, os tapas, as ofensas. Nem mesmo as opiniões maledicentes, as mentiras, as acusações infundadas. Também não importam a corrupção, as trapaças, as "puxadas de tapete". E, por estranho que possa parecer, nem mesmo os homicídios e suicídios contam alguma coisa. Na verdade, esses descaminhos fazem parte de um processo inexorável. Uma verdade que paira acima de qualquer ato humano. Ou melhor, que corre ao lado desses mesmos atos, por mais violentos ou indignos que sejam. Esse processo é a evolução. Tudo no Universo corre sob o seu domínio. Todas os seres caminham numa única direção, mesmo que pareçam, a princípio, se digladiarem defendendo caminhos completamente opostos. E essa direção é o crescimento espiritual. Assim como o vir-a-ser de uma gigantesca árvore se encontra, desde o início, contido numa semente, também o homem do futuro já se encontra, embrionário, no interior de cada um.

Quando se fala em espiritualidade, qualquer pensamento não consegue sair muito além do campo das hipóteses, de idéias fundamentais em torno das quais religiões, seitas e filosofias floresceram. Até mesmo caminhos extremamente particulares são muitas vezes ditados por imagens de uma espiritualidade também muito particular. O chamado espiritualismo ocidental nasceu no Egito. Hermes ditou as bases de tudo que conhecemos como religião, em seu sentido direto de "religação" da humanidade com os deuses. É sua, por exemplo, a célebre colocação "em cima como é em baixo", numa alusão à correspondência direta existente entre as coisas do nosso mundo material e o plano superior, celestial, de onde tudo emana. A entrada desses conhecimentos no nosso lado ocidental do planeta deu-se através da Cabala, num processo que ainda trataremos nesta coluna, mais tarde.

Quando se fala, então, de crescimento espiritual, entra-se num campo extremamente perigoso, especialmente em relação às idéias do que esteja envolvido, de fato, num processo de crescimento. Pode-se dizer que se trate de um processo lento (para nós, humanos), contínuo (apesar da possibilidade de que seja alcançado em "saltos" de consciência) e unidirecional (só se cresce espiritualmente para melhor, pois não existe a involução). Um caminho de "melhora" na qualidade das nossas ações e dos nossos pensamentos. E é justamente nessa idéia tão subjetiva que podemos fazer da palavra "melhora" que reside o grande problema. De que depende esse crescimento? Ora, ele está baseado justamente em nossas reações a tudo que nos acontece. Não se vincula a resultados que possamos alcançar, mas à maneira com que nos lançamos na busca desses resultados. A evolução não reside no o que, mas no como. E isso faz toda a diferença.

Ser profissionalmente bem-sucedido não significa, absolutamente, que se conseguiu uma evolução maior do que aquele que não foi além de um modesto emprego. Ter conseguido uma união estável, trocar de carro anualmente ou ter uma bela casa na praia também não se constituem em sinais de que se alcançou um estágio superior de vida. O que importa realmente é o perfeito casamento ente a intenção e o modo de se agir para que essa intenção saia do papel. Uma espécie de know how para viabilizar a intenção. Bem, na verdade, essas duas condições ainda não bastam para se garantir a possibilidade de uma evolução espiritual. Uma intenção - e isso acontece milhões de vezes ao dia, em todo o mundo - pode perfeitamente estar direcionada a atos ilegais.

Quando se fala em espiritual, entra-se num mundo onde vários dos critérios a que estamos acostumados, como os de correção, caráter, lealdade, bondade contam apenas a partir de uma visão estritamente pessoal que se tenha a respeito. Não são, em hipótese alguma, conceitos universais. São apenas conceitos morais. Por mais importância que possamos dar a eles - e possuem, de fato, sua importância - não fazem parte da nossa essência. Pertencem, ainda, ao plano da humanidade. Nossa essência, longe de tudo isso, é celestial.

Continuaremos esse assunto na próxima semana.

* Ricardo Bohek
Astrologia, Espiritualidade, Metafísica do Comportamento
Atendimentos individuais, palestras e cursos
Contatos : ricardo-bohek@uol.com.br

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Outras Notícias



Comentários

  • Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Deixe seu comentário