Ir para o site

Ir direto para o conteúdo

Blog Bem Zen

Ser mãe com sabedoria

 

Mesmo se houvesse um guia sobre como ser mãe com sabedoria, este não seria tão eficaz porque toda mãe precisa de talentos específicos na criação de cada filho seu, visto que cada ser humano é único e especial. Entretanto, há alguns modelos que dão certo e que vale a pena fazermos algumas reflexões a respeito:
 
 

      Para você ser uma mãe mais feliz aprimore a sua autoestima, separando os papéis de Mulher, Esposa e Mãe. Não é porque você é uma boa mãe que vai deixar de se cuidar como mulher e esquecer de ser a esposa com quem seu marido se casou. Muitas mulheres mudam muito depois que se tornam mães e, o mais triste, é que mudam para pior…
      Procure observar os exemplos que você representa para os seus filhos. Seus gestos e suas ações produzem lições mais efetivas dos que muitas palavras vazias, jogadas ao vento.
      Aprenda a falar “não” quando necessário, sem culpas. Isso vai servir de exemplo para os seus filhos, quando aqueles “amigos da onça” lhes oferecer bebidas, cigarros ou drogas. Eles precisam saber que a gente pode sim dizer “não”, sem medo de desagradar. Porque na verdade, nós não nascemos para ficar agradando os outros o tempo todo. Diga mais “sim” para você mesma!
      Cuidado com as idealizações – “Ah, meu filho vai ser médico!”, “Meu filho vai presidir meus negócios quando crescer…” – isso é muito perigoso, porque você precisa ensinar seu filho a fazer suas próprias escolhas e você deve respeitá-las. Geralmente, quando idealizamos muito, temos mais chances de nos decepcionarmos. Você deve visualizar o melhor para seus filhos, mas não criar tantas expectativas, porque isso faz com que o seu amor seja sufocante e… Ah… Ninguém merece este tipo de amor!
      Evite as comparações – seus filhos são diferentes e devem ser tratados de acordo com o que merecem, porém, jamais diga que gosta mais de um do que do outro, porque isso destrói qualquer possibilidade de melhorar o seu relacionamento dentro de casa. Você pode dizer que gosta mais do comportamento do outro, mas gosta igual das pessoas de todos os seus filhos.
      Prepare as crianças para uma adolescência alegre – nada de ficar falando que elas serão “aborrescentes”, porque este termo é muito depreciativo.
      Filhos, principalmente na adolescência, sempre vão achar que os pais ainda fazem pouco por eles. Por favor, não se decepcione, não caia nas chantagens emocionais deles e nem lhes dê poder para desequilibrarem a sua vida. Um dia, quando estiverem mais amadurecidos ou quando forem pais também, enxergarão o seu valor.
      Aprenda a observar as falhas morais dos seus filhos ou os seus desequilíbrios psicológicos e tome providências – fique de olhos bem abertos! Cuidado com os distúrbios comportamentais e pare de ficar se tapeando ou “jogando a sujeira para debaixo do tapete”. Se você desconfiar que algo não esteja normal, procure, o quanto antes, tratamento médico e/ou psicológico.
      Se você está com a sua família estruturada, com o seu marido participando da educação dos seus filhos, é fundamental que os seus filhos conheçam a ordem de importância no relacionamento familiar: primeiro você, depois seu marido e depois seus filhos, porque se não fossem você e o seu marido, seus filhos não existiriam.
      Procure elogiar muito os seus filhos, quando merecerem – é claro, e que seus elogios, sempre que possível, sejam em público, para eles se sentirem estimulados. E quando precisar fazer uma crítica, critique não a pessoa do seu filho e sim o seu comportamento, e em particular e, se for possível, antes e depois da crítica, faça um elogio, ou seja, chame-o para conversar com você, faça um elogio verdadeiro, depois chame a sua atenção no que for preciso e termine a conversa com outro elogio bem merecido.  Com certeza, esta estratégia trará muito mais impacto na mudança de comportamento do seu filho. E lembre-se: o diálogo é muito importante – mas quando não for possível – escreva bilhetes!
      Quando você, mãe, se sentir cansada, pare de reclamar cansaço – demonstre o seu cansaço e vá descansar! Pare de ser vítima e heroína do Lar, sabe por quê? Porque ninguém dá valor nisso e você acabará se ressentindo.
      Ensine seus filhos a assumirem responsabilidades pelos seus atos – crie regras para a vida no lar e cobre isso deles.
      Além dos estudos, incentive também os seus filhos ao trabalho. Trabalhar vai fazer muito bem para a autoestima deles.
      Elimine de sua vida o conceito “ser mãe é padecer no Paraíso”, porque se você ficar pensando e afirmando isso, com certeza, pela força da Lei da Atração, a sua vida materna será um verdadeiro padecimento.
      Demonstre zelo, sem excessos, sem apego. Nossos filhos são como os navios, que estão seguros nos portos, mas foram feitos para navegar pelos mares distantes e descobrir novos mundos.
 
 

Enfim, mãe sábia é aquela que, com amor e bons exemplos, estimula em seus filhos a independência emocional, psicológica e material, o mais cedo possível. Criar os filhos com sabedoria consiste em prepará-los para a vida e ensiná-los a não precisarem de você!
 
*Eliana Barbosa

Sobre Eliana Barbosa

Psicoterapeuta Holística (CRT 44684), Consultora em Desenvolvimento Humano, articulista de jornais e de revistas de circulação nacional e internacional, autora dos livros “ACORDANDO PARA A VIDA – Lições para sua transformação Interior”, “O ENIGMA DA BOTA – Enfrentando a sucessão empresarial com equilíbrio e sabedoria” e “CARA A CARA COM ALGUÉM MUITO ESPECIAL – Histórias e lições inspiradoras para você se conhecer... e vencer!” (Novo Século Editora), apresentadora de programas motivacionais em TV e rádio, e ministra palestras e cursos transformacionais sobre desenvolvimento pessoal e profissional, por todo o país. * www.elianabarbosa.com.br * www.youtube.com/elianabarbosashow * eliana@elianabarbosa.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>