1. Áries
  2. Touro
  3. Gêmeos
  4. Câncer
  5. Leão
  6. Virgem
  7. Libra
  8. Escorpião
  9. Sagitário
  10. Capricórnio
  11. Aquário
  12. Peixes

AUTOCONHECIMENTO: Como o homem de hoje se torna produto temporário em perpétua mutação

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Segundo a Física Clássica, iniciada com Isaac Newton no século XVII e que dominou o horizonte científico até fins do século XIX, o Universo era um todo imutável e mecanicista, engendrado por um poder divino. A famosa e obscura "ação (gravitacional) à distância", um dos pilares sobre o qual se assentava a Lei da Gravitação Universal, parecia ser suficiente para explicar a atração entre todos os corpos celestes, fosse qual fosse a imensa distância que os separasse. Dificuldades havia já admitidas pelo gênio de Newton.

Como justificar este tipo de interação tão abrangente, que deduzia o fenômeno, não a causa? Só o inevitável recurso à intervenção de uma onipotência supra-humana e supra-cósmica poderia, aparentemente, contornar as dificuldades e creditar uma justificativa final ao até então inexplicável. Assim, o Universo seria infinito e mecânico e a ação à distância se faria presente porque assim o quis O Supremo. Tudo muito cômodo e bem ao gosto da época. Desta forma, tudo estaria esclarecido, sem maiores discussões (num quase dogmático e gratuito taken for granted).

Foi necessária a aparição de outro gênio para romper as trevas: Albert Einstein, que no limiar do século XX lançava sua revolucionária Teoria da Relatividade (a Restrita e a Generalizada). O Universo observável tornou-se bem mais complexo e passou a fazer sentido o que antes era ininteligível. A ação à distância newtoniana foi derrubada por uma nova noção que só uma mente privilegiada como a de Einstein poderia conceber. O espaço cósmico, antes vazio e infinito, foi substituído pelo conceito de "campo", isto é, uma tessitura finita a quatro dimensões (as três espaciais, mais a do tempo).

O espaço newtoniano, um vazio sem propriedades e preenchido por corpos celestes a se atraírem mutuamente, foi substituído por um continuum dotado de propriedades intrínsecas que diretamente influíam em tudo o que nele estivesse contido e vice-versa, de galáxias e estrelas até átomos e partículas. Estava derrubada a idéia abstrata e conveniente da ação à distância. O espaço-campo, agora quadri-dimensional, passou a ser encurvado pela presença das massas nele contidas. Cada uma delas tem a propriedade de causar essas curvaturas. É como, usando-se o exemplo de um espaço bi-dimensional, vários objetos colocados sobre um lençol esticado no ar o deformam de maneiras diversas, de acordo com suas massas (ou pesos).

Por outro lado, a menor distância entre dois pontos quaisquer é uma linha curva, pois o espaço einsteiniano é curvo, como vimos. Para facilitar a compreensão, tomemos aleatoriamente duas cidades. A menor distância entre elas será sempre uma linha curva, não uma linha reta, visto ser curva (mais ou menos esférica) a superfície terrestre. O tempo, da mesma forma que a massa, antes invariável, tornou-se uma variável, de acordo com o observador e com a velocidade do corpo observado. A maior velocidade possível no universo relativista é a velocidade da luz.

A Teoria da Relatividade substituiu a Física Clássica. Einstein sucedeu a Newton. Tudo vem a ser relativo, não no sentido popular, sem saber bem o que tal afirmação significa. Os fenômenos naturais vieram a ser governados por novas leis, deduzidas matematicamente e comprovadas por experimentos científicos. O estado absoluto, mecânico e previsível do Universo não será nunca mais visto como uma propriedade do mundo em que vivemos. Mas o golpe final no universo newtoniano viria ainda na primeira metade do século com Heisenberg e sua Lei da Incerteza: "no mundo sub-microscópico, não podemos fazer previsões quanto à posição e a velocidade das partículas sub-atômicas". Neste campo, reina a incerteza. Podemos, no máximo, fazer conjecturas quanto ao comportamento das mesmas em um determinado instante. E o que dizer da dualidade da luz (Paul Dirac), ora comportando-se como ondas (teoria ondulatória), ora como partículas (teoria corpuscular)?

Poderão argumentar: em que tudo isso nos afeta no dia-a-dia? Afeta-nos da mesma maneira que o espaço relativista, isto é, abrindo-nos os olhos e a mente para uma nova realidade, muito mais rica e dinâmica que a antiga realidade clássica. Não somos mais o que pensávamos ser. Somos produtos temporários e em perpétua mutação de um incrível dinamismo, por vezes imprevisível, que nos engendra e nos transforma.

O antes inconcebível morreu perante esta nova realidade. Uma espécie de pragmatismo científico, às vezes aleatório, tomou as rédeas de nosso meio físico e, por extensão, de nossas vidas. Qualquer caminho reto e invariável porventura idealizado não tem ou não deveria mais ter lugar nos dias de hoje. A intervenção de Deus veio a ser desnecessária no sentido de preencher as brechas teóricas deixadas pelo classicismo pré-einsteiniano.

Temos que admitir que estamos no caminho correto para entendermos cada vez mais o mundo e o universo que nos cerca, graças à pesquisa científica teórica de ponta. Com isso, liberamos Deus da ingrata tarefa de subscrever o antes inatingível pela ciência, já não basta o fardo que Ele carrega de ter que lidar com sua criação maior, a espécie humana. Para os agnósticos e ateus foi um prato cheio. O mundo povoou-se de materialistas e existencialistas de toda espécie, alguns de excepcional valor (Sartre, Monod, Marcuse).

O determinismo cedeu lugar a um pragmatismo que rege nossas ações na vida, muitas vezes sem que o percebamos. Um sonho, uma meta, um objetivo tem que ser vistos dentro de um âmbito muito mais vasto e dinâmico de um meio não apenas físico e "espiritual" que nos molda as ações. Somos levados vida afora por vias conjunturais antes insuspeitas. Somos também produtos, e agora sim podemos entender melhor, de núcleos pessoais e de estímulos externos, ambos a nos influenciar de modo contínuo. Contemporâneo de Einstein, outro gênio, Freud, nascia para o mundo. Mostrou que o ser humano é regido não mais apenas pelo consciente, mas também, e principalmente, por subterrâneos núcleos inconscientes de desejos insatisfeitos, "nós", carências ancestrais, arquétipos e de teses e antíteses de, às vezes, difícil conciliação.

Somos o que somos no nível do inconsciente, com todas suas contradições. Cabe a cada um a difícil tarefa de podermos abordá-las, se tais contradições chegarem ao ponto de nos impossibilitar de (sobre) vivermos. O que antes era inconcebível, muitas vezes inadaptações taxadas de "insanidades", é hoje visto como inerente e natural ao ser humano. Somos por demais complexos, como o é o universo quântico-relativista.

Pouco a pouco, o racionalismo cartesiano foi cedendo lugar a uma dinâmica realidade subjacente, por trás da imediata realidade cotidiana. A razão foi perdendo terreno para a intuição criadora, muito mais poderosa e abrangente porque irrestrita. Nada é tão simples quanto aparenta ser. O acesso a tamanha riqueza escondida é, freqüentemente, franqueado à intuição. Mas as raízes racionalistas haviam se consolidado de tal maneira que, ainda hoje, estamos de certa forma presos a noções e conceitos já há muito superados pela ciência e pela filosofia. As religiões orientais foram muito mais sábias sob este ponto de vista, por ser o oriental, sem dúvida, bem mais sensitivo, pouco influenciado que é pelo modo ocidental de ver a realidade.

O Taoísmo, o Budismo e outras religiões do Médio e Extremo Oriente comprovam o que afirmamos. Para elas, a realidade é ilusória. O mundo é constituído pela íntima interação entre opostos que, em vez de se excluírem, interagem e se integram harmonicamente num todo muito mais vasto, uno e profundo. Quantas descobertas científicas da Física não tiveram como ponto de partida uma inesperada intuição à moda oriental? A partir de um súbito insight, as conseqüentes formulações matemáticas conduziram aos próprios modelos pressentidos e intuídos (todo mundo já ouviu falar, por exemplo, da "maçã de Newton").

Não somos mais habitantes de um planeta situado no centro do Universo. Até o Sol perdeu este status. Não somos mais regidos apenas por interações bioquímicas em nossos corpos. Temos outra vida (ou a mesma?) atuante dentro de nós, em que imperam os sentimentos, os traumas e as contradições inconscientes. Mal começamos a abrir a cortina que nos aponta na direção de uma unicidade com tudo o que existe "fora" de nosso antigo isolacionismo. Somos do tamanho do que sonhamos, mesmo que estes sonhos e suas conseqüentes ações sofram a influência ponderável do que existe em nossa volta. Por isso, estamos sempre na contingência de rever metas ou de readaptá-las. Nada é o que é, só o é como produto de uma enorme, contínua e complexa interação mutativa. E é a própria vida que se encarrega disso. Essa união com o todo nos faz importantes, mesmo às custas de nossas quimeras. Por ínfima que seja, nossa simples presença é sentida. Afinal, cada um de nós encurva a tessitura do espaço-tempo.

*Arquiteto e estudioso de Zen Budismo, autor do Dicionário O Zen Budismo de A a Z.

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Outras Notícias

Comentários

  • Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Deixe seu comentário

  1. Horóscopo Mensal Previsões para o Seu Signo, por Isabel Mueller
  2. Sucesso na Vida 8 perguntas poderosas para você entender...
  3. Dicas para ter Mente Saudável 15 hábitos saudáveis que evitam doenças
  4. Depressão na Relação a Dois Dicas para evitar desgaste do casal
  5. Projeto Verão Imunidade três sucos funcionais emagrecer e Fortalecer
  6. Smartphones dicas para evitar dores causadas pelo chamado...
  7. Nutrição-Alerta da Proteste Os Cuidados com as Dietas da Moda
  8. A ansiedade infantil Ajude seu filho a superar
  9. Vampiros de energia Conheça 10 formas de identificá-lo e se livrar
  10. Horóscopo Mensal de Dezembro Previsões para o Seu Signo, por Isabel Mueller
  1. Horóscopo de Dezembro, por Titi Vidal Previsões para o seu signo, no mês da Felicidade
  2. Horóscopo Mensal de Dezembro Previsões para o Seu Signo, por Isabel Mueller
  3. Vampiros de energia Conheça 10 formas de identificá-lo e se livrar
  4. Sucesso na Vida 8 perguntas poderosas para você entender...
  5. Dicas para ter Mente Saudável 15 hábitos saudáveis que evitam doenças
  6. A ansiedade infantil Ajude seu filho a superar
  7. Smartphones dicas para evitar dores causadas pelo chamado...
  8. Nutrição-Alerta da Proteste Os Cuidados com as Dietas da Moda
  9. Depressão na Relação a Dois Dicas para evitar desgaste do casal
  10. Projeto Verão Imunidade três sucos funcionais emagrecer e Fortalecer
  1. Horóscopo Mensal Previsões para o Seu Signo, por Isabel Mueller
  2. Vampiros de energia Conheça 10 formas de identificá-lo e se livrar

Bemzen Shop



© bemzen. Todos os direitos reservados.

Webroom Soluções Interativas